O SEGREDO DO AMORTECIMENTO AO CORRER NÃO ESTÁ NOS TÊNIS

9
out

                       Foto: Alessandro Imperial

A posição recomendada é o corpo levemente inclinado pra frente, pé caindo no solo abaixo do corpo e passada ampliando pra trás (FOTO ACIMA).

Frequentemente me perguntam sobre qual o tênis que melhor amortece o impacto com o solo quando estamos correndo. De antemão já adianto que no quesito amortecimento a maior preocupação não deve ser com eles. Os calçados apropriados ajudam sim, é claro, mas eles não passam de excelentes auxiliares.

Tomando por base as pesquisas mais recentes na área e as conversas com especialistas, se pode afirmar claramente que a sua mecânica de corrida é bem mais importante que os tênis, bem mais. Para ser claro, é a forma como você pisa ao correr que vai absorver o impacto de forma mais eficiente. E a explicação para isso é simples, é pura física.

“Tênis não salva a vida de ninguém. O que vai salvar sua vida é o seu movimento. É você adaptar o seu corpo, é você ensinar o ser corpo como absorver esse impacto. Não tem como você diminuir o impacto, porque quanto mais rápido for o seu corpo, maior impacto vai gerar, porque é a aceleração de dois corpos se encontrando. Mas é aí que vai depender de qual a resposta do seu corpo para esse impacto. Você pode usá-lo para te dar impulso ou te deslocar pra frente, ou você pode pisar errado e fazer esse impacto te levar pra trás, podendo até a provocar deformações no seu corpo”, ressalta Andrei Achcar, atleta amador de corrida e triathlon, treinador de corrida especializado em biomecânica e profissional de educação física formado pela Universidade de Brasília – UnB.

O segredo do sucesso e a chave para essa eficiência tão almejada por 10 entre 10 corredores começa na maneira de correta de tocar o solo na pisada de corrida. Um outro ponto polêmico é a entrada do pé no chão. Uma corrente de profissionais defende que seria melhor tocar o chão primeiro com a ponta ou o meio do pé, mas nunca tocar primeiro o calcanhar. E essa tese nos leva onde exatamente quero chegar e aí lá vem a física de novo.

“Mais importante que a área do pé que primeiro toca o solo, é como isso acontece. O fundamental é que ele não toque o chão à frente do seu corpo. Se isso acontecer, vai gerar uma força contrária ao sentido do movimento desejado. Em outras palavras, quanto mais à frente do corpo o pé entrar, maior será a frenagem e menor será impulso do corpo. Como isso gasta mais energia para se deslocar, compromete a performance e ainda estressa o seu corpo como um todo”, reforça Andrei.

O ideal é buscar a mecânica em que o pé inicie o contato com o solo bem abaixo do seu corpo, abaixo do eixo gravitacional. Isso vai facilitar a entrada com a região de médio-pé de forma mais natural. Quando o pé inicia a pisada abaixo do corpo, o impacto é melhor absorvido por músculos e tendões que estão aptos não só a suportar o peso, como também a responder em forma de impulso levando o atleta sempre pra frente.

Esse movimento, de forma até natural, vai te fazer correr com uma leve inclinação do corpo à frente, o que com a gravidade propicia a posição a favor do movimento. Por consequência também a passada vai crescer para trás e não para frente do corpo. Assim, a força exercida contra o solo é 100% dedicada ao impulso.

Pois é, isso põe por terra aquela antiga teoria que aprendemos nas nossas aulas de educação física quando crianças, que o conceito da pisada perfeita era aquela completa. Onde você começa pelo calcanhar, vai passando por todo a área do meio e sai do chão com a ponta do pé. Esqueça tudo isso. Os tempos mudaram e a ciência está no esporte para nos ajudar mesmo.

Para finalizar, vale lembrar que apesar de todos os novos conceitos e estudos, obviamente que alguns corredores e alguns corpos poderão se adaptar melhor a outras formas de pisada e passada. Afinal, cada pessoa tem sua particularidade e o que serve para o geral, pode não servir para casos específicos. Então é sempre bom lembrar, procure o acompanhamento de um profissional de educação física.

Exemplo de como não se deve correr: joelho totalmente esticado, pé tocando o solo à frente do corpo que acaba inclinado pra trás.